#EmBuscaDoGatoPerdido

desencontros

Ei pessoinhas, como estão?

Hoje aconteceu uma coisa que me deixou muito pensativa. Eu estava em um determinado lugar e sem querer meus olhos se encontraram com um rapaz que estava no mesmo ambiente. Não era um rapaz comum, era diferente (#liiiindooooo, tipo muito, mais muito lindo mesmo), sei lá, chamou minha atenção. Não conseguia desviar os olhos dele (nem ele de mim pelo visto). Quando o evento acabou, eu tive que ir embora e ele ficou mais um pouco. Só que não consegui ficar em paz e acabei parando na metade do caminho e pedindo para um amigo voltar para perguntar o nome dele ou pedir o telefone (por incrível que pareça, sou muito tímida para isso). Eu esperei ansiosa (uns minutos que pareceram eternos). Quando meu amigo retornou, me deu a triste notícia que não conseguiu o nome dele, porque tinha acabado de entrar no carro e ir embora. Fiquei totalmente arrasada, ele era lindo de mais e a única coisa que consegui foi descobrir a cidade que ele morava (o que não ajuda muito). Mas, como eu não consigo tira-lo da cabeça, vou utilizar todas as minhas artimanhas para descobrir pelo menos o nome desse rapaz (afinal de contas, sou brasileira e não desisto nunca). Dei até um nome fictício para ele, enquanto não descobrir o nome verdadeiro, vou chama-lo de Artur (ele tem cara de Artur, Guilherme, ou Thiago).

Eu precisava compartilhar isso com vocês, estou muuuito eufórica, ansiosa, com saudades. Pode parecer exagero, mas aquele menino pode ser meu futuro marido (ta, agora forcei). Realmente, eu precisava escrever porque não consigo dormir, não paro de pensar, de imaginar. E quando coloco uma coisa na cabeça, ninguém consegue tirar, nem eu mesma. O que é ruim em alguns pontos. Por exemplo, tenho insônia, vou acabar me entupindo de comida para compensar a ansiedade e não vou descansar até conseguir o que quero, então tenho grandes chances de me tornar uma tia gorda, encalhada, sozinha com vinte e sete gatos. No entanto, tenho chances de encontra-lo (mesmo que remotas). Vou me agarrar a isso e iniciar a, minha busca pelo “gato” perdido.

Ok, acho que desabafei. Agora que o texto acabou, vou voltar para minha sina de não conseguir esquecer, aqui no meu mundinho isolado, vazio, sem ninguém (específico) para me fazer companhia. Só eu e minhas doces lembranças (como sou dramática né). Pelo menos tenho a companhia de vocês, né seus lindos (admitam que me amam) Por hoje é só meus chuchuzinhos. Até a próxima e fiquem com Thor.

Ps: Ah, quando achar o que estou procurando, vocês serão os primeiros a saber.

 

Três beijos, Débora Carvalho.

10 dicas para superar o fim do namoro

Olá galerinha, sentiram minha falta?

Há alguns meses eu fiz um post falando sobre as maneiras trágicas e engraçadas de se terminar um namoro. Eu decidi então fazer a continuação dessa postagem, então o assunto de hoje é sobre como superar o fim do namoro. E como todos já sabem eu sou o beijo cômico dos Três beijos, por isso o texto terá uma pitada de humor. Confiram a lista que preparei para vocês:

1. Faça compras – Se já é bom fazer isso quando estamos alegres, imagine quado estamos depressivos.

2. Coma chocolate – Na verdade, coma qualquer coisa gostosa. O chocolate é mais clássico para o fim de um relacionamento, assim como potes enormes de sorvete. Uma paçoca também te anima rapidinho

3. Saia com os amigos – Um bom amigo é essencial nessas horas. Curtir com  galera faz milagres. Só não pode deixar seus amigos que namoram ficar com melação na sua frente, fazendo você ficar de vela.

4. Leia um livro – Mas nada de romances amorosos de mais. Leia um livro sobre a guerra ou sobre as criancinhas desnutridas da Etiópia, enfim, sobre qualquer coisa que te faça ver que terminar o namoro é insignificante perto de outros problemas.

5. Fale mal – Junte-se com outras mulheres para falar mal do seu Ex. Se você for homem, não vai nem ligar para isso.

6. Jogue pó de mico nas roupas dele(a) – Tá, admito que o meu sonho é jogar pó de mico em alguém para ver o que acontece.

7. Queime a casa dele(a) – Mentira, não queimem nada. Foi só uma piada. Vish, acho melhor eu focar no assunto. O post ta se transformando em como se vingar do(a) seu(ua) Ex.

8. Não assista novelas – Se você não quiser entrar em depressão, jamais assista as novelas da tarde do SBT durante esse momento difícil, principalmente Maria do Bairro. Não é nenhum pouco aconselhável.

9. Trabalhe – Faça algo útil da sua vida. Aprenda um instrumento, faça crochê, trabalhe em algo que goste ou crie um blog =). O importante é ocupar a cabeça com outras coisas.

10. Viva sua vida – Na boa, você irá passar por outras situações parecidas, a vida é dura, apesar de ser boa. Você não pode para-la por que um (a) idiota te deu um fora. Eu sei que dói e dói muito, mas tudo serve como experiência.

E um ultimo recado. Pelo amor de Cristo não cortem seus pulsos. Sentir dor não é legal (exceto se você for um masoquista) e não traz ninguém de volta. Ah, e não joguem pó de mico em ninguém, nem queimem a casa das pessoas, a não ser que vocês queiram ser presos. Se fizerem isso e depois saírem falando que foi a Débora do blog Três beijos que incentivou, eu negarei até a morte. Por enquanto é só. Até uma próxima e comam paçocas.

Três beijos, Débora Carvalho

 

Minha futura paçoca

Talvez a minha futura paçoca seja aquele menino da igreja, ou aquele rapaz que sempre estava perto e eu nunca reparei. Quem sabe não seja o garoto que trabalha na padaria da esquina de casa (que faz guloseimas deliciosas), ou aquele amigo de infância com quem eu brincava de amarelinha e pique esconde na rua. E por que não pensar no meu melhor amigo? muitos romances começam pela amizade. Tem também aquele com quem sonho todas as noites, o cara com defeitos e qualidades que irão me completar.

A minha paçoca tem que ser diferente. Alguém que faça com que eu me entregue completamente. Que me escute e leia os meus textos (mesmo os “sem sentido”). Tem que me apoiar sempre e me consolar no final de um filme triste. Não pode se igualar a nenhum outro que fingiu ser minha paçoca e no final não passava de cascas torradas de amendoim (sim, cascas. Tentei pensar em algum alimento ruim feito com amendoim, mas não consegui *–*)

Eu iria adorar se ele sonhasse em  conhecer Londres, para poder ir junto comigo visitar a terra da rainha (e fazer um flash mob com o batalhão de infantaria, durante a troca da guarda real). Seria ótimo um passeio com ele na london eye, a noite, só para ver Londres brilhar sobre o céu estrelado. Ah, e aquele beijo na chuva? bom, na Inglaterra isso teria mais chance de acontecer.

A minha futura paçoca, precisa ter um bom gosto musical. Tem que saber falar, pensar e até escrever sobre algo tão nobre, chamado amor. Não pode ter vergonha de se declarar e expor tudo o que sente.

Eu realmente quero muito encontra-lo. Não me importo se ele for o garoto da padaria (ele faz uns pudins maravilhosos, além de ser gatinho),  ou o rapaz da igreja (pelo menos tem uma fé parecida com a minha). Sei que em breve vamos nos conhecer de uma maneira diferente (até mesmo se ele for o meu melhor amigo) e espero ansiosamente por esse dia. O dia que terei minha paçoca só para mim e pode ter certeza que não vou dividir com ninguém mais.

Tres beijos, Keila Pereira.